Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carago... sim, Carago!

Carago... sim, Carago!

24
Nov05

Legalização da prostituição

Carago

Ouço falar em legalização da prostituição e fico a pensar… é verdade que já tinha pensado sobre o assunto mas nunca cheguei a qualquer conclusão satisfatória. Não tenho uma opinião tão firme como em relação ao aborto mas como dizia alguém: As opiniões são como os cus... cada um tem a sua! A minha é mais ou menos esta:

Em primeiro lugar, devo dizer que acho a prostitução uma actividade degradante, uma lança na dignidade da condição humana, tanto para quem a oferece como para quem a procura. Mas se é uma actividade degradante também não se pode pensar que quem a pratica a faz de ânimo leve... outrora ninguém teve consciência limpa para “atirar uma só primeira pedra” contra a prostituta dos evangelhos... será que hoje há audazes capazes de tal? Penso que a prostituição poderá ser, neste momento evolutivo da humanidade, um mal necessário. Já alguma vez pensaram que a prostituição pode estar a proteger a sociedade contra um número infame de crimes sexuais? Sabemos que existem mentes doentes capazes das piores atrocidades para terem o que desejam... não poderão as prostitutas (e os prostitutos) servir de descarga para um grande número de “tarados” sexuais? Não terá sido assim desde o início dos tempos? É só um pensamento... dediquem-se a ele se quiserem.

Factos: 1º facto: Dando as voltas que quisermos... a prostituição existe! 2º facto: Tirando o caso de repatriamento das prostitutas que são imigrantes ilegais, ao contrário do que estipula a lei, esta actividade não tem vindo a ser punível criminalmente. 3º facto: As protitutas sofrem horrores às mãos das máfias que controlam o tráfego de seres humanos. 4º facto: A saúde pública é necessariamente afectada pela falta de condições sanitária dos protíbulos. 5º facto: A prostituição é uma actividade completamente clandestina que contribui enormemente para a grande fatia do mercado negro na nossa economia.

Interrogações: 1ª: Legalizando a prostitução não se estará a “moralizar” algo que não pode e não deve ser moralizado? 2ª: Até que ponto não teríamos um aumento exponencial do número de imigrantes do sexo? 3º: O que vale o negócio do sexo em termos em termos económicos e quanto beneficiaria o estado com a sua legalização?

A pensar com mais cuidado...

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D